Bold

sou do dia e da noite. o entardecer propõe ansiedade.
gosto do concreto, de tomar decisão, de opinião,
mas também não sou de cimento, nem tampouco de areia.

e sei da importância da transição: o degrade das coisas.

mas eu gosto mesmo é do amarelo que pulsa,
que dá vontade, energético, que se movimenta.
o azul também é algo que me fisga, captura:
a cor que acalma é serena e reflexiva.

gosto da convicção destas cores separadamente.
e, quando juntas, do seu contraste.