Ode ao zozial

um brinde aos apáticos sociais
sucintos aos problemas mundias
fingem ser cérebros geniais
e não passam de mentes industriais.

procuram melhorar o sistema
com propostas medievais
ou projetos semi-integrais
(aqueles que integram a sociedade)
baseado na necessidade ou
autoridade daqueles 10/100 da
high socity fool of ladies and gentleman.


"Parabéns" para você
que tem um lack of judgment or prudence,
não tem senso crítico ou algo do tipo,
vive de acordo com o mariaísmo das ovelhas que vão com as outras
enquanto sua vida inteira beira a infelicidade pessoal, padronizada e iniciada
no período patriarcal-medieval.

um brinde aos apáticos sociais,
que não sabem viver apesar de e acham que a saída para a vida é a sagacidade
encontrada na mágica "plin" da esfera metálica colorida que se propaga nas caixas quadradas - sim,
eu tenho uma em casa - quando, na verdade, não há mágica alguma, há a desgraça brasileira
ocultada com a vidinha perfeitinha e de mentirinha.


um brinde aos apáticos sociais
parasitas mundiais
moscas intelectuais
que fingem sabedoria diante
da ignorância alheia


oas apáticos sociais,
que nada são além de um umbrigo podre encontrado num estado de putrefação.


para os que não prestam atenção à sua volta
e enquanto o mundo melhora
preferem ver a outra lente que promove a desgraça ou revolta

para os incomodados e quase ex-indolentes,
acreditam que o destino é lançado por um ser sobrentatural e imortal,
digo-lhes, parafraseando O Pensador, que
"q'uand a gent muda o mundo muda coagent,
a gent muda o mundo na mudança da mente
e q'uand a mente muda a gente anda pra frente"

(milhões de reticências)


(Escrito em 2009, revisado em 2010)