Leminski

pelos caminhos que ando
um dia vai ser
só não sei quando

Toda Poesia, pg 235

Cedo

odeio seu tempo
odeio é uma palavra muito forte
entendo seu percurso,
e respeito seu tempo
estou por cá, mas
vou embora:
Insônia, não é sua hora.

cedo: pela manhã, madrugada, ceder

04h11

da janela sopro a fumaça do cigarro d e v a g a r
apago a brasa no ladrilho do prédio
e vejo um rapaz de uns 54 anos indo caminhar:
que inveja de sua saúde: yoga, eu vou voltar.

So far so good

a. não é ruiva, lúdica, me lembra rita lee
b. comum, tímido, barbudo e sensível
c. andrógena, convicta, sagaz, engraçada
d. responsável, simpática, afetiva e desenrolada
e. um belo rapaz

Alinhar as expectativas. Como?


gerAção

Millennials é uma palavra que deve ser escrita em itálico: fácil de ler, um pouco edgy, a little brega, meio conceito.

(Os millennialstambém conhecidos como a geração Y, são aqueles nascidos entre os anos 80 e 2000, aproximadamente).

Angústia

GOOGLE
  1. 1.
    estreiteza, redução de espaço ou de tempo; carência, falta.
  2. 2.
    estado de ansiedade, inquietude; sofrimento, tormento.

Admiração, surpresa, espanto, felicidade

PARTE 1
solidão...
solidão?
solidão!

PARTE 2
solitude.

Paz

o sopro do vento
a delicadeza da cigarra
o ônibus passando em 4a marcha
a luz da madrugada,
o silêncio interno

Bold

sou do dia e da noite. o entardecer propõe ansiedade.
gosto do concreto, de tomar decisão, de opinião,
mas também não sou de cimento, nem tampouco de areia.

e sei da importância da transição: o degrade das coisas.

mas eu gosto mesmo é do amarelo que pulsa,
que dá vontade, energético, que se movimenta.
o azul também é algo que me fisga, captura:
a cor que acalma é serena e reflexiva.

gosto da convicção destas cores separadamente.
e, quando juntas, do seu contraste.

Tráfego

uns se endividam
afetivamente

outros sabem reter a circulação,
a convivência

afinal, são pessoas, demandas diferentes

todas com suas histórias, 
carentes
e presentes


Voz linda do caralho



Energia

online, remotamente perto.

Ah

o suco de maracujá é amarelo. e ácido. e doce.

sociedade: mulher deve usar laço
gravata borboleta: a
sociedade: isto é coisa de homem



Bom dia comunidade

sara pinto

Observar

trip hop, era noite. no céu havia uma curva: era a lua, sua metade. o vinho quente e roxo fazia sentido enquanto ele se mostrava, dançando.

Perspectiva

meio que se espreguiçava arqueando os braços, entrelaçando os dedos, sem pressa, mexendo o corpo, olhando pro lado e perdendo tempo, levando a bebida até a boca, dando um gole que parecia água: ele é hétero e rebola bem.

Tudo pra mim

o melhor presente do passado é o óbvio, sua transparência.

Palarva

na época do ensino médio havia muitas aulas de redação.

a professora sempre citava trechos de alguns alunos. "o homem faz isto", "o homem faz aquilo".

"homem", em 2009, era sinônimo de "ser humano".

Vestido

vestido, coisa de mulher, é um SUBSTANTIVO MASCULINO.

A culpa é da vontade

link aqui


LULA LIVRE

SEXTA, 08 DE NOVEMBRO DE 2019.

Fica com deus


Zero

não é dá pra trás
nem fazer pela metade
é ter fôlego
to Go,
iniciar outra vez.
quando vi: recomecei.

Contraste

EXPECTATIVA realidade

Lua

o que tem de bonita tem de promessa não cumprida.

Órgão sexual é a pele

2019

O Jogo da Amarelinha

(nunca terminei de ler este livro de Julio Cortázar)

Toco a sua boca, com um dedo toco o contorno da sua boca, vou desenhando essa boca como se estivesse saindo da minha mão, como se pela primeira vez a sua boca se entreabrisse, e basta-me fechar os olhos para desfazer tudo e recomeçar. Faço nascer, de cada vez, a boca que desejo, a boca que a minha mão escolheu e desenha no seu rosto, e que por um acaso que não procuro compreender coincide exatamente com a sua boca, que sorri debaixo daquela que a minha mão desenha em você. Você me olha, de perto me olha, cada vez mais de perto, e então brincamos de cíclope, olhamo-nos cada vez mais de perto e nossos olhos se tornam maiores, se aproximam uns dos outros, sobrepõem-se, e os cíclopes se olham, respirando confundidos, as bocas encontram-se e lutam debilmente, mordendo-se com os lábios, apoiando ligeiramente a língua nos dentes, brincando nas suas cavernas, onde um ar pesado vai e vem com um perfume antigo e um grande silêncio. Então, as minhas mãos procuram afogar-se no seu cabelo, acariciar lentamente a profundidade do seu cabelo, enquanto nos beijamos como se tivéssemos a boca cheia de flores ou de peixes, de movimentos vivos, de fragância obscura. E se nos mordemos, a dor é doce; e se nos afogamos num breve e terrível absorver simultâneo de fôlego, essa instantânea morte é bela. E já existe uma só saliva e um só sabor de fruta madura, e eu sinto você tremular contra mim, como uma lua na água.

Acamado

febre alta
exalta
tua falta

Raul Pough genial

beijar, eu quis
você não deixou, mas
querer, eu kiss


Silêncio

nu.

eu,

tu.

Rodrigo Gonzatto

Delicadeza

o sol que sobe na cama
e acende o lençol
só lhe chamando
solicitando

Tom Zé

Solidão, que poeira leve

na vida quem perde o telhado em troca recebe as estrelas.

Tom Zé

Sextou

10 da noite eu abrindo o illustrator pra fazer poema visual.

Brilho

esta manhã, dia amarelo, fazia sol e a fumaça saindo da caneca de café parecia uma névoa branca. brasa do cigarro acesa, era sete horas e a lembrança dela já estava dando baculejo em minha memória.

2018

as antigas cartas de amor são, hoje, conversas do whatsapp arquivadas.

Limpando a mesa

dez é como domingo. a gente pensa que domingo é o fim da semana passada, não é? mas já é o começo da outra. a gente pensa que dez é o fim de nove, não é? mas já é o príncipío de onze.
Clarice Lispector







soneto do desmantelo Azul

então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos 
e colori as minhas mãos e as tuas,

para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar no azul as coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.

e afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço.

e perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul. Azul.

Carlos Pena Filho

Cadê meu carnaval

monami kutundé
kutundé ngoe
mon'ami zeka-ié
mungu ngu moné

ai! mon'ami nzambi iami-ie!
ai! mon'ami nzambi iami-ie!

se u-jimbidila
ó-mavua ma-ngitula

mon'ami mbolo ngii-sangela kuebié
mon'ami mbolo ngii-sangela kuebié

mon'ami zeka-ié
mungu ngu moné

Geraldo Azevedo

Hora extra no trabalho



A música

A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) é uma forma de arte que se constitui na combinação de vários sons e ritmos...

"Quem pensa, escreve", ela disse.

Uma vez uma professora de português me falou sobre verbos. Nós, brasileiros, falamos muito e escrevemos pouco. Há uma catarse no som, na voz. E o resto?

Parâmetros

Existe o silêncio. Ai, alguém falou. Existe a solidão.

Palavra

Substantivo Feminino.

Uma cidade triste é fácil de ser corrompida

fla i ra fe r r o

Sinceramente


Permitir

coçar o sal
prender o ar
autorizar o corpo
encarar o sol.
amar é boiar no mar.

Coletivos individuais

somos as senhoras rezando no convento e as loucas fantasias sexuais.
somos as corporações e os isolamentos, somos as contradições vivendo ao mesmo tempo.

FLAIRA FERRO

Pixelada

2014

Namoro à distância

respiração pálida, peito contraído
e o pulso fraco, quase desmaiado

Morrer de Saudadeuma expressão popular

é sorrateira, como quem não quer nada, chega, se instala.
muda minha tecnologia, me dá mau humor.
fico naquela agonia pela eternidade de 11seg.

normalmente ela chega pela noite, a saudade
mas entendo que é um sintoma de quem anda
com os pés fincados no norte e o pulso correndo pro sul

2015

Queria

I N S T R U Ç Ã O   P A R A   L E I T U R A :   D E V A G A R .

queria deixar minha mão escorrer na tua pele como uma aquarela que, de tão a vontade, permeia o papel, invade a fibra.

queria beijar-te para descobrir teu corpo exato como ele é: cada ponto, curva, canto, teus traços e pêlos, pregas e incertezas: todas as suas linhas.


queria sentir o gosto da unha, lamber os dedos, ler sua mão. Provar as quinas.


queria ser a tinta que escorre na tela tipo aquela mão que te escorre nas pernas.



2015

Designer

desenho de 2013, eu acho





Arquivar conversa

eram 12 mensagens favoritadas: cinco fotos, seis figurinhas e um áudio dela escovando os dentes.

Nascemos sós, sós seremos serenos no fim

Alceu

Coisa de momento

eu viajo pra dentro do país com sebastiana todo ano. lá eu vejo o mato, bebo cerveja de baixa qualidade e faço outros clichês. 

é noite, é sereno e faz frio. a casa é pequena e bem arrumada. tudo nos seus lugares: copo de cabeça para baixo e botijão de água com toalha bordada. no telhado tem frestas, uns buracos e, por isto, vejo o céu. 

mas no caminho pra chegar sertão, eu penso em marta. penso nela e nos seus dentes pequenos.

um dos seus caninos é quebrado, outros dois dentes da frente trincados, serrados, mas brancos. as pessoas acham eles "errados", e são mesmo, mas também possuem sua beleza. como pode ser errado e bonito? a verdade é que são são detestavelmente lindos.

eu já fui casade com marta. hoje somos mais que amigos, divorciados. eu admiro ela: pensamento e estética. quando nos separamos eu tive uma epifania ao contrário. não aceitei o término. chorei por 27 dias e uns quebrados. os quebrados duraram mais 4 semanas. foi estranho, mas pertinente.

depois conheci outras pessoas em praças, festas, casa de amigos, bares, apps, sim, principalmente, em apps e só depois encontrei sebastiana, no elevador do meu prédio. não soube decodificar: duas pessoas que nunca se viram, no mesmo m², em silêncio, trocando olhares, sob luzes de led, se encarando. foi erótico até surgir um está quente lá fora, né?

nunca achei que uma conversa de elevador fosse dá em um casamento de 18 anos organizado.

11h47

eu cheguei na sala: todos os covardes sentados almoçando. era um cheiro estranho de água, café e balsâmico.

Juntos

hoje eu vou contar a história
do ponto que virou linha:
sozinho pensava,
sozinho ficava

no dia 03 de abril, o inusitado:
outros pontos encontrados,
acordados.

de tão perto ficarem,
e não se espetaram,
formaram uma comunidade
de pontos colados.

uma linha
de vários abraços.

Paulo

a espera
numa sala,
o aguardo
na cadeira,
que pode ser
de plástico
metal
ou madeira,
penso no tempo
e seus desdobramentos.

Exercício

quando fico
entediada
desenhos rostos
com uma linha apenas

depois nomeio todos

estou nomeando meus
problemas

Sem Título

barulho

ruído

estrondo.

mudança

de hábito,

pronto.

Janela

da janela eu não vejo o oceano
mas um mar de pedras:
azulejos brancos
pintados de amarelo,
são quase cinco e meia

aqui vejo o bairro
e converso com o mundo
penso nas questões da quarta feira
e mais um bocado de ideias

problematizo as questões com o concreto
dps com as pessoas, penso na subjetividade das coisas

e vejo os prédios,
assisto a vida das pessoas
nas outras varandas
e quando escurece,
já são seis horas

Nova Postagem

eu só queria conseguir me concentrar pra escrever isso ir embora

os ciclos aumentando 
o tempo vai girando
e eu aqui neste encosto do sofá

é um peso
um pêndulo
que quando olha,
está por cá,
já foi pra lá
 

Brega

o que arrepia os pelinhos do braço é saber que encontrei minha alma gêmea, meu par na dança, meu xamego, meu mais novo vício e junto a ela todos os clichês que falam sobre amor, um brega

sábado

pra não esquecer

rolê na zona sul
comida vegana

shopping, bolsa, craud
e outras coisitas más

pessoas olhando:
eu nem ligo narreal

rolê na orla, passeio
pessoas, esportistas
mar escuro 

casa da menina
mãe da menina, olar

maquiagem 
rímel e batom vermelho 
- eu posso? pode.

olinda 
mesa ambivalente
ao ar livre
fumar ou beber, tanto faz

casbah
chuvisco
papo bom
passa o tempo
voa a hora
são mtas estórias

toró: corre errado

vamo pro xinxim
dançar molhando de chuva 
sim
5 min is enough 

vamo pro centro? bora!

uber 
música brega
cantando alto no carro 
funk, rebolando a bunda
no banco do novo uno azul 

centro: 
entrada encerrada
gente baixo astral 

bares lotados
eis aqui um cafofo
de qualidade duvidosa
é aqui mesmo 

altos papos
passa a hora 
voa o tempo
bora ver série na quinta feira? bora

- eita, estou quase sóbrio e com fome

4:40
bora pra praia?
silêncio

4:50
pizzalize?
vegan food no forno 

esperando 
e dançando forró na chuva <3

vamo pra casa, chove
- preciso pegar a feira 

vamo andando? vamo. 
é perto e refrescante e amanheceu

casa da menina 
mãe da menina, não teve olar

uber
já era claro, já tinha a feira 
chegando em casa quase seis da manhã
eu me despeço, são dois beijos
até quinta  

Esqueça

e tudo isso um dia vai passar
se deslocar no tempo, esmaecer
deverá desbotar, desimportar...


Adriana Calcanhotto

o sentido do real









barulho e confusão 2

união estável
pais separados
não é um horror

união estável
barriga de aluguel
não é um horror

nova construção dos laços
famílias tentaculares
multiparental
não é um horror

dizem que os pais
veem os filhos
como uma extensão do corpo
errado
- é a família nuclear burguesa
manifestando sua presença

e modelo familiar padrão
branco ht do sec 19
não

faz sentido hoje no 21
mais novo e multidisciplinar

e segue o bonde das famílias
com seus tentáculos aqui acolá

O outro

desconforto e vigília
os olhos de terceiros
seguem atentos

highlight

tudo passa, até a uva passa

houve um contexto. precisavá-mos de humor. uma ex namorada me disse isso, assim, rindo, em 2013. nunca mais esqueci. 

Hoje

Corre um pensamento a fim de explicar o porque daquela alma movida por uma malha de paixões bem vividas. 

maria rita kehl

"A sexualidade humana está longe de ser normal, estável, uniforme. Isto assusta muito a gente."

Conjuntos

passam os dias, as semanas e os meses
a lembrança mostra os dentes
não é um sorriso

um novo enigma está no ar
o ar na garganta, o sono perdido
e 01 novo afeto que se constrói

de longe me sinto mais perto
muito estanha a elasticidade afetiva

as memórias não sabotam,
mas é um amor tão diferente e novo
que parece ter mais vinco assim, sem nome

Segundos

meu coração e meus passos
andam em círculos atrás do seu rastro
meus pés e meu peito
e no meu pulso direito
bate o seu atraso


Adriana Calcanhotto

O patrão da beleza

reafirma o tem que das meninas
diz que é assim 
nunca soube do assado

impõe uma conduta
discreta
passiva
moderna

é atual 
embora
recatado
do lar,
esforçado 

só sabe rimar
padrão e quadrado 

Bolero

traços, linhas, marcas, curvas
volta, pele, gorda, nua

A verdade

Se eu escrever, você vai ler?

Reply

facebook Cara, é natural voce achar que está tudo ok com estes dois universos da sociedade (negros e LGBTs) uma vez que voce não têm vivência em nenhum deles. Isto é "entendível". 

Por outro lado, voce dizer que estes grupos não precisam do suporte do estado (secretarias, ex), é um pensamento muito raso: no momento em que pessoas são MORTAS porque são gays por exemplo, isto torna-se uma questão pública sim. Quando falam que a cada 28h um homossexual morre no brasil, queremos dizer que: alguem morre PORQUE é, ou PARECE ser bicha. Não foi porque "estava andando na rua, foi assaltado, reagiu e morreu". Entende?

Sabemos que "todos temos os mesmos direitos", mas este discurso é falho quando trata-se destas questões porque a sociedade é composta por pessoas diferenetes (lê-se: que sofrem agressões POR SEREM diferentes). Não é um ponto de vista, uma opinião, um caso à parte. Não observar essas diferenças é colocar todo mundo no mesmo patamar, é negligente, entende? É fake. 

Mundo animal

Sonhando com o dia em que a tigresa possa o mesmo que o leão. 

“qualquer maneira de amor vale a pena”

Isto não é Freud é Milton Nascimento.

Elas

a l e a t ó r i a s ,   t r o c a d i l h o s ,   r a s c u n h o ,   s e m   g r a ç a  

as palavras
podem ser
até palavras 

temos palavras abertas
palavras circulares
palavras-mundo

mas há tbm as palavras
que detém um perímetro próprio
palavras-susto, palavras-mudo

eu não queria rimar, juro 

mas a rima veio com o som das palavras.
elas têm esta característica,
e além da fonética,
temos letras, tamanho, porte, etc

eu não queria rimar, juro
é isso que dá escrever sem revisar, 
assim, de bruto, jogando tudo

e voltando, não de dar uma volta
mas de retorno, boomerang,
não de filmar mas de trazer

é que desde um pequeno adjetivo
a um a verbo mais extenso,
são elas que fazem o indivíduo,

no transitivo ou no intransitivo
é o verbo que compõe o sujeito
lidam, moldam, permitem amar





Casamento

uma instituição fálida

Óvio

ócio
domingo
cadeira de praia no nono andar, pé pra cama, pé pra cima
ócio domingo
livro e caneta no quarto, musica tranquilinha, escrevendo sem disposição
ócio
domingo
fazendo vários nada all day long
ócio-domingo
pesquisa de referência, trabalho, sentada all day long, sedentarismo all day long
ócio
domingo
noite, música, trip-hop, prox semana tem isso e aquilo, chato
ócio
domingo
dia de desopilar e escrver errado, óvio 

Ciclos

um fato com seqüência,
arredondado

crie a img:
uma bola turva
fora, seu brilho

não é o sol
não é matemática
A pertence a B que
nada tem a ver com C

são ciclos
e os ciclos são plurais

há os que se abrem
os que são fechados
e os que não giram,
mas tbm os que se
intercalam




Peito

"idealizo sentir a densidade do côncavo na mão"

em a gorda, de isabela figueiredo

nietzsche


Ninguém sai ileso de ninguém

n i n g u é m   s a i   i l e s o   d e   n i n g u é m  

ghore

grite + chore

1min 2seg

da tensão e da expectativa
veio o sim

os verbos e os adjetivos
se encaixavam

as palavras dançavam,
ocorria tudo bem

mas o engasgo chegou
no chão me encontrei

de preto ela vestia,
de luto fiquei


- você escreve?

- não, eu me atrevo.

umor

um amor com humor

Pai e filho





as gay as bi as trava e as sptão

algumas questões:

1. ao falar de “reversão sexual” partimos de uma visão equivocada da sexualidade humana como se a pessoa “nascesse hétero e depois ela desviasse para outra sexualidade”. tal pessoa “virou gay”. o movimento da “reversão” remete a algo que volta para a “origem”, para o “normal”, para o “padrão”. quando, na verdade, não existe uma orientação sexual padrão. todas estão no mesmo plano. acontece que uma é reconhecida/aceitada pela sociedade e as outras não. 

2. a maioria das pessoas ao pensar que podem ser homossexuais se sentem constrangidas. tem medo. vergonha. sentem culpa. arrisco dizer que, em um primeiro momento, ao perceber tal característica, ninguém sente orgulho, mas incômodo. seria interessante pensar: de onde vem este desconforto? 

3. é mais fácil movimentar o discurso por afetos que paralisam o sujeito (medo, por exemplo) e que incitam ou estimulam a homofobia para não ter que lidar com ela. do ponto de vista prático nunca foi comprovado cientificamente que reverter a orientação sexual de alguém é impossível. ao contrário: as pessoas que se submetiam a este tipo de tratamento tinham mais depressão, ansiedade e grandes chances de cometer suicídio, além de desenvolver doenças mentais. sabemos que existe um contexto social hostil, que segrega as pessoas: a sociedade empurra o sujeito para o gueto e depois ridiculariza o gueto. este gesto não pode ser minimizado. 

4. normalmente demanda tempo para um lgbt identificar de onde vêm o incômodo que ele sente. decodificar estas coisas, os fatores internos e externos que compõe o contexto. são justamente estes fatores (medo, violência, distorção, preconceito, etc) que podem se elaborados na terapia. estes fatores também devem ser conversados na sociedade. a arte é um campo fundamental para isto, porque além de pertencer ao universo da subjetividade (muita vezes escanteado por uma inteligência lógico-matemática), ela também promove discussões em assuntos que ainda são tabus.

5. em terapia, independente da linha (junguiana, freudiana, lacaniana, etc) e do tipo de profissional (psicólogo, psiquiatra, psicanalista) qualquer pessoa pode falar sobre orientação sexual, elaborar esta questão (determinar os seus limites, entender até onde ela suporta falar, viver sua orientação sexual). não precisa de uma liminar para isto. 

6. procurar ajuda para se “reorientar de forma voluntária” não é algo simples, espontâneo, diante do contexto em que vivemos e mesmo que uma pessoa adulta tenha tempo e dinheiro para investir na sua "reorientação sexual", ela não vai funcionar. porque não é um problema de dedicação, uma questão monetária, de livre arbítrio (vontade própria). mas uma questão ética mesmo: não enganar as pessoas dizendo que elas podem ser "reorientadas sexualmente”. falar isto, além de ser uma distorção da realidade, é uma atitude mau caráter.

7. um fato: não existe psicologia-cristã. pode existir pessoas que tem formação em psicologia e que são cristãs. mas pessoas que usam a psicologia como ferramenta para propagar sua fé não pode ser considerada uma profissional da área. foi inclusive por isto que rozangela justino teve seu registro de psicóloga cassado em 2007/09.

8. uma pessoa ciente do seu desejo não se torna hétero ao nega-lo. o sujeito pode ser "lido" como hetero na sociedade e não sofrer preconceito, descriminação, violência. mas sua orientação sexual continua lá, em curso.

Timing

o tempo é tecido que rege nossas vidas
e o tempo, dizem, é sempre o agora

mas tem gente que perde tempo
tem gente que dá um tempo
gente também que precisa de tempo

e, ainda, gente que toma o tempo dos outros

há também aqueles que guardam
o tempo
cuidam
do tempo
temem
o tempo

há, inclusive, quem busque mais tempo
há os que se perdem
e se encontram no tempo certo

e ainda, há aqueles, que voltam no tempo

ah, não

escondi a playlist de mim mesma pra não pensar na crush de 03 semanas. o toco foi rápido. entendi médio. também não perguntei mt. ela me achou incrível, disse isso. mas parece que a gente tava no timing errado. certo, afiado. mas diferente. o sexo foi massa, a conversa mais ainda. mas sei que ela decidiu ir e eu resolvi ficar com a playlist.

welcome

e pode?
se atrever a escrever
sem saber?
quase sem ler
só com o ver
rimando tudo

só com o sentir?

sem data
sem hora
sem pontuação correta
ué, stamos aí

A sociedade da performance

Então, você também vive nela :~